Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Estrada para Damasco

Um blogue sobre comunicação clara de ciência

Comunico para partilhar aquilo que sei ou para mostrar que sou especialista?

12.11.19 | Cristina Nobre Soares

ECS_scientific-papers_ksm (1).jpg

 

- Mas, ao simplificar muito, não corremos o risco de acharem “Afinal, o trabalho deste fulano é uma treta tão simples, que até eu fazia”,  e, dessa maneira, desvalorizarem o nosso trabalho? Perguntou-me, uma vez, um aluno, num dos cursos “Comunicar Ciência Clara”.

Respondi-lhe que não. Primeiro, o risco de não darem valor ao que fazemos é, infelizmente, demasiado comum. Eu, por exemplo, sofro frequentemente daquilo que eu chamo síndrome “Quem és tu, Zé Gato?”, dado que não sou propriamente um nome conhecido na praça. Duvido que haja algum decassílabo que me safe desta cruz.

Segundo, este risco, partindo do principio que não estamos a comunicar de uma forma simplista e descuidada, dificilmente será por causa da linguagem simples que usamos. Insisto nesta questão do descuidado, pois caímos no erro de pensar que falar de uma forma clara é falar à balda. Não é. Falar à balda é falar mal. Ser claro é apenas isso: ser claro. E  talvez até seja mesmo mais credível, até porque ao não haver dúvidas naquilo que dizemos, passamos mais uma coisa: confiança e honestidade.

Mas, acima de tudo, a primeira pergunta que temos de fazer é: comunico para partilhar aquilo que sei ou para mostrar que sou especialista?

E reparem que não tem mal nenhum mostrar que somos especialistas em dado assunto. Muito pelo contrário. Afinal, é o nosso trabalho, foi nele que investimos milhares de horas da nossa vida. Ainda assim, há formas de o fazer, sem caírmos na tentação do ego e fugirmos da imagem do "investigador na sua torre de marfim": contem pequenos episódios sobre o vosso trabalho, sobre o vosso percurso. Sempre é uma forma mais simpática e menos vaidosa de falarem sobre o que fazem.

A minha mãe costuma dizer: “Cada um só consegue dar aquilo que realmente tem”. Se o vosso percurso profissional é realmente credível e bom, então não é preciso dourarem a pílula com palavras caras. Pois, certamente, a vossa carreira terá mais para dar do que apenas palavras armadas aos cucos.

Imagem: www.nature.com

 

2 comentários

Comentar post