Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Estrada para Damasco

Um blogue sobre comunicação clara de ciência

Sabe porque é que o nosso corpo envelhece?

09.09.20 | Cristina Nobre Soares

science photo library.jpg

 

 

A Mariana Ferreira frequentou a 3ª edição do “Comunicar Ciência Clara”, no Instituto Superior de Agronomia.

 Estudou engenharia biomédica no Instituto Superior Técnico, com o objectivo de aprender a resolver problemas na área das tecnologias aplicadas à saúde. Entretanto, foi na biologia das células que encontrou os problemas mais intrigantes e está actualmente a fazer um doutoramento no Instituto de Medicina Molecular João Lobo Antunes, para perceber como é que as células funcionam, comunicam e coordenam as suas funções.

E trouxe-nos este texto, onde nos fala sobre o envelhecimento das células.

 

Certamente já teve oportunidade de observar a capacidade que a sua pele tem de crescer,  acompanhando o crescimento do seu corpo. Este processo acontece em todos os órgãos, mas é na pele, um órgão naturalmente fácil de observar, que melhor temos essa percepção. A facilidade com que a nossa pele estica quando crescemos (ou quando engordamos) e se adapta quando emagrecemos deve-se, entre outros factores, à capacidade das nossas células se multiplicarem para originar novas células com as mesmas funções.

Esta capacidade que as células têm de se dividirem muitas vezes ao longo da nossa vida é estudada pelos cientistas para compreender melhor o corpo humano e as doenças que o podem afectar.

Ao contrário do que possa estar neste momento a pensar... não, as células da nossa pele (ou quaisquer outras) não são imortais! Na verdade, o cientista Leonard Hayflick, que se dedicou ao estudo da divisão celular, fez uma observação que veio mostrar o contrário. Afinal, embora contasse que as células que mantinha em laboratório se dividiriam infinitamente, Hayflick observou com curiosidade que as células que estava a analisar só se dividiam no máximo 60 vezes!

Ora, como provavelmente estará a imaginar, isto implica que a capacidade de resposta das células é limitada. Na verdade, com o tempo algumas das nossas células ficam cansadas deste processo constante de divisão e entram no chamado estado de senescência, ou seja, tornam-se senescentes. A palavra senescência vem do termo latim “senescere”, que significa “ficar velho” e é usada pelos biólogos para descrever o envelhecimento celular. A senescência, que é uma consequência da exaustão da capacidade das nossas células de se dividirem, está na base do envelhecimento dos nossos órgãos.

Apesar deste mecanismo ter um papel importante na defesa dos nossos órgãos, pois impede o aparecimento de tumores, estas células senescentes vão-se acumulando à medida que envelhecemos. Além de deixarem de exercer as suas funções normais, estas células ocupam espaço e produzem muitos resíduos, que influenciam ainda as células vizinhas a tornarem-se também senescentes, como num efeito dominó. É por esta razão que à medida que envelhecemos os nossos órgãos começam a funcionar menos bem e a ter mais dificuldade em recuperar de lesões.

Embora o nosso sistema imunitário identifique e elimine células senescentes, algumas destas células acabam por ficar nos nossos órgãos, prejudicando as suas funções. Por isso, uma das tarefas dos cientistas que, como Hayflick, estudam a divisão celular em laboratório, é desenvolver terapias capazes de eliminar as células senescentes dos nossos órgãos. Este tipo de “limpeza”, já em fase de testes, ajuda os nossos órgãos a funcionar melhor, permitindo-nos viver com maior qualidade de vida, por exemplo, conseguindo manter a elasticidade da nossa pele à medida que envelhecemos.

Por isso, da próxima vez que notar que a sua pele já não tem a elasticidade de outros tempos... já sabe: a culpa é da senescência!

Mariana Ferreira

 

Foto: Science Photo Library

2 comentários

Comentar post